7 de novembro de 2007

Sentada no balouço do sol fita os dedos envoltos na corda que segura.
Deixa a mente divagar, sente-se sorrir com certas lembranças e entristece-se com outras. A confusão não é total e sem se aperceber vai desfazendo os nós do seu pensamento com a paciência de quem doba um novelo de lã.
Hoje é um daqueles dias em que o peso ao fundo das costas é só o prenúncio de uma noite mal dormida. Hoje, ela sente aquela estranheza subtil situada entre o cansaço e o sonho. Sabe que vai acabar por passar...na verdade há poucas coisas que não são efémeras.
E enquanto segue o balanço do seu corpo, sente o ritmo do seu coração em competição com a sua mente. Estica as pernas e força as pontas do pés a tocar o chão. Lentamente e, ao desenhar dois sulcos paralelos no chão, sente-se parar. Fecha os olhos e deixa cair a cabeça para trás, o cabelo desliza-lhe dos ombros para as costas. Permanece assim até sentir coragem para voltar a abrir os olhos.
Esvazia a mente e recomeça o seu balanço suave e, com uma respiração mais profunda, diz com voz serena ao sol que a acalenta:

- Às vezes é preciso parar para recomeçar.

13 comentários:

Gavi disse...

aiiiii soube a chocolate com um filme de uma vida, adorei... era o q me apetecia agora ler!

xD

Brunito disse...

O chocolate não sabe a isto ;)

De qualquer forma os textos continuam invariavelmente bons!

tropa xD disse...

e eu a pensar k ia ter a responsabilidade de fazer o primeiro comment..'há poucas coisas k nao sao efemeras'
como e isso e verdade, mas o k vale e k a maior parte das vezes sao as efemeras k nos tocam mais profundamente..gostei!(o dicionario deu jeito xD)

Beks disse...

«Mas é preciso morrer e nascer de novo
semear no pó e voltar a colher
há que ser trigo, depois ser restolho
há que penar para aprender a viver

e a vida não é existir sem mais nada
a vida não é dia sim, dia não
é feita em cada entrega alucinada
pra receber daquilo que aumenta o coração...»

texto está lindo Tats, como nos tens habituado sempre...

Anónimo disse...

Tu tens um Dom! =)

Acho q t� tudo dito, escreves mesmo muito bem!

Nunca tinha pensado que andar de baloi�o poderia suscitar um lindo enredo de palavras que nos remetem para um delicioso prazer de leitura q nao queremos q acabe!

Gente, este menina tem um livro, toca a comprar, s� pode estar o m�ximo!

Beijao Tatiana!
�s mesmo a maior!

Do teu caloiro, Paulo Soares *

Alexx disse...

No baloiço da vida sabe bem alternar os momentos em que voamos alto e aqueles que balançamos juntinho ao chão. E de vez em quando, somos obrigados a parar bruscamente, lançar os pés ao chão e forçar a travagem do mundo, ficarmos sós e estáticos por um momento só, recompor a mente e reorganizar as ideias para depois voarmos ainda mais alto e alcançarmos o Sol da felicidade. Porque "às vezes é preciso parar para recomeçar".

Lindo... as usual...

o alquimista disse...

Na saudade passo...do tempo da ausência guardei a tua lembrança...


Beijo

João Guilhoto disse...

essa frase final é sem dúvida excelente. um grande conselho a seguir... bjo

Suntory Time disse...

Acredita que este texto ficava muito melhor se tivesses referido o cemitério (;

bruno disse...

Belas palavras, HoneyWitch.

Gostei de passar por cá.

bruno disse...

claro que podes linkar. para mim é sempre um motivo de orgulho uma vez que é sinal que alguém gostou, né? :))))))))

espero que vás passando por lá, porque eu certamente passarei por aqui mais vezes.

PS: andava aqui a cuscar o teu blog e fui ver o teu hi5. reparei que tens adicionada uma das irmãs de uma ex-namorada minha. como o mundo é pequeno. :)

beijo.

Jorge disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jagas disse...

Há pessoas que nasceram pa vender baguetes, outras nasceram pa fazer sonhar os outros! Tu nao es so uma escritora, és uma "fazedora" de sonhos! ;) Bjinhos miuda!