21 de julho de 2008

(ilustração Zeca Cintra)

Debruçada nas grades da varanda, cantarola uma música que a avó lhe ensinou. O vestido colorido esvoaça-lhe nos joelhos massacrados pelas quedas de criança. Mandam-na sair dali mas ela mantém-se imóvel, doce rebeldia de quem recebe mimos a toda a hora.
Sorri enquanto observa dois cães a perseguirem-se pela rua. O suave balanço das horas não a incomoda, o lento girar da terra não a distrai. O mundo dela é perfeito, pleno de sol, bolos, animais e canções. A felicidade que transborda do seu sorriso é quase tangível.
Na sua inocência imaculada não sabe que um dia vai olhar para trás e ver que o tempo passa quando estamos desatentos. Que a vida se desfaz em gargalhadas e abraços, em lágrimas e palavras. Que os dias são nossos com a certeza do seu fim.

7 comentários:

Beks disse...

DE FÉRIAS? NEM PENSAR :P

lol ...

A menina do teu post parece-se muito com cada uma de nós... Tal e qual.
E quando são assim, sabe sempre tão bem.

A verdade é que só dei conta do tempo a passar quando realmente comecei a pensar nele. Por volta dos quê? 14?

Até lá... doce infância mesmo, em que não dávamos pelo tempo passar...

GK disse...

E que a partir daí vivemos apenas com um objectivo: recuperar aquela inocência de quem canta a canção que a avó lhe ensinou sem saber que o mundo gira e o tempo passa...

(Espero que o mundo já se tenha tornado mais pequeno e menos assustador para ti outra vez...)

João Guilhoto disse...

Cara Tatiana,

O tempo é o meu maior inimigo e a infancia a minha maior saudade...

Beijinho e VIVA a SOCIOLOGIA! Já foi com os porcos.

** ;)

Alexx disse...

Também quero um mundo assim perfeito, uma vida assim alegre e sem preocupações..... Quero voltar a ser criança quando tudo era novo e as discussões se resolviam com um beijinho e um sincero pedido de desculpas...

Saudades suas menina linda*****

D@s Pl3ktrüm-/v\ädch3n disse...

É bem verdade =) o tempo passa quando estamos desatentos... e essa inocência parece ser das poucas que permanecem à medida que vamos crescendo e deixando um pouco da nossa 'doce rebeldia' para trás... Ainda me lembro dela, quase todos os dias, e consigo quase tocar o começo, sem rasto de fim à vista.

Seja como for, quando qualquer coisa termina, logo outra está pronta a começar. Espero que o teu novo começo te traga todas as coisas em que vale a pena a vida desfazer-se! E que continues a escrever, que eu vou procurar-te nas livrarias =P

Have a wonderful life*** =)

Di disse...

Passei aqui.. e gostei bastante de ler :)

ELMARY disse...

Estou-te a ver assim menina vivaça, alegre e meiga.
Adoro-te.