25 de maio de 2009

À deriva

Sentimos tantas vezes que perdemos o pé, que estamos a nadar contra a corrente, à deriva. E à medida que nos esforçamos por manter o calor no corpo, esquecemo-nos de procurar o pulso. Tudo gira à nossa volta e, na necessidade de acompanhar o movimento, perdemos o ritmo que nos acelera o coração.
E de repente o esforço que fazemos para tentar respirar deixa-nos exaustos, de repente tudo o que nos parecia certo deixa de o ser e sobramos nós... verdadeiramente sós.

4 comentários:

rcrosado disse...

E se a ênfase fosse no verdadeiramente... Depois de verdadeiramente só descobres o verdadeiro calor no corpo e a respiração volta sem esforço.
Se calhar até descobres que nunca perdeste o pé, perdeste apenas o equilíbrio por um momento ;)

beijinhos

Rute Correia disse...

Desculpa! Pensava que já tinha linkado... passo aqui mta vez, mesmo sem comentar =)

Gosto do que escreves!

beijinho bom*

elmary disse...

São estes momentos de desequilíbrio, que dão luta e emoção á vida....
Tu nunca estarás verdadeiramente só, tens que nos ter por perto, pelo menos de vez em quando.
Escreves tão bem que até me esqueço que isto é apenas um texto, parece-me mais um desabafo teu ao meu ouvido.

PauloSantos disse...

Adorei a forma como disseste aquela frase. "E à medida que nos esforçamos por manter o calor no corpo, esquecemo-nos de procurar o pulso." dá a sensação que nos preocupamos em demasia com algumas coisas e nos esquecemos de outras. Fica sempre uma coisa esquecida e que por vezes é a mais importante. Encaixaria essa frase na minha vida neste momento.

Bom blog.