10 de maio de 2010

Balanço

Lento, compassado. O corpo esquecido num berço de madeira sem protecções. As ondas de dor abraçam-na suavemente e o vento lava-lhe as lágrimas que não quer deixar cair. Os dedos apertados na corda grosseira dão-lhe a segurança insegura de quem raramente tem a certeza mas nunca pensa em duvidar. Os pés cruzados amarram a vontade de fugir e o balanço continua. Insistente, regular, constante. Como se fosse durar para sempre...

3 comentários:

Helena Teixeira disse...

Deixo um convite: Junte-se a nós no dia 10 de Junho, no Convento dos Frades, em Trancoso, num duplo evento: «Encontro de Bloggers e lançamento do livro "Aldeias Históricas de Portugal - Guia Turístico".Para estar presente, envie um mail para aminhaldeia@sapo.pt a solicitar o formulário de inscrição e o programa das festividades.Faça-o com antecedência, pois as inscrições são até dia 2 de Junho.

Abraço
Lena

carlos pedro disse...

O segredo do balanço, é que há nele a nítida sensação de vôo... e, ainda que se volte ao sitio inicial por necessidade de impulso, essa leveza insustentável cria em nós, saborosamente, a vontade de que (se quisermos) conseguimos "voar".
Beijinho

B.C. disse...

pois que gosto, "a vida na me corre bem deixa ca fugir no baloiço", coitadita volta sempre para trás...