13 de abril de 2010

Happy XL

A música é serena. O ar cálido abraça o fim-do-dia como se não quisesse receber a noite. Num terceiro degrau de uma qualquer escada, ele fita os ténis sujos, destruídos, vividos. Relembra os sorrisos XL que via na cara de todos os amigos e que também ele ostentava, apertado entre as bochechas.
Tem uma vontade imensa de recuperar os momentos espontâneos, pintados a gargalhadas, emoldurados com abraços. Deixa a música dançar noutro ritmo e levanta-se demoradamente. Olha em frente e vê uma expressão que reconhece, um sorriso que sabe desenhar com os dedos... XL, vindo de outros Verões.

1 comentário:

Gavi disse...

hummm soube-me bem e deixou-me nostálgica ao mesmo tempo :\

a espontaneidade é um privilégio. e a responsabilidade acaba por atenuá-la por muito que não a queiramos deixar fazê-lo*