19 de março de 2006

Perdida na cidade

Os cabelos ondulam ao sabor do vento, compridos sem quererem parar. O pôr-do-sol ao lado dos seus olhos. Casas e prédios a perder de vista. Tudo isto é tão diferente, tão mais frio e triste, tão mais cheio de coisas e vazio de sentimentos e beleza.
Como se o estuque e o cimento pudessem substituir as pétalas a voar da flor da amendoeira. Como se o grunhir rude dos aviões pudesse alguma vez substituir o doce chilrear dos pássaros. Como se as sirenes aflitivas e as buzinas simultâneas se pudessem comparar com o remexer vivo dos melros nas folhas secas do chão. Como se o cheiro fabril das máquinas na cidade conseguisse um dia suplantar a miscelânea de aromas do campo. Como se as linhas rectas cobertas dum tapete vermelho sujo se pudessem confundir com as ondulações verdes da montanha.
E a noite chega, o sol esconde-se triste e esfaqueado por entre os arranha-céus. A lua cheia aparece quase transparente no lado oposto, desvanecida dentro duma plataforma de fumo e poluição. Uma noite onde as estrelas não estão plantadas no céu, estão nas ruas de alcatrão, amarelas, verdes, vermelhas...de tantas cores que perdem a beleza na sua ostentação.
Olha para o céu, estava à espera das estrelas...Mas com tanta luz na terra elas fogem, não chegam...aqui não há estrelas....

17 comentários:

Beks disse...

Muito bom Tats...
Nem sempre é facil encontrar a beleza onde se está agora...
Nem sempre é fácil substituir e aceitar bem a mudança da vista, do aroma...

Também eu ainda me estou a adaptar...

disse...

Aqui as estrelhas também brilham, mas é preciso olhar com mais força. A cidade põe-nos à prova; ser amante de Lisboa não é fácil. É abstrairmo-nos dos barulhos e cheiros não tão encantadores e procurarmos charme naquilo que aparentemente não tem. Mais um bocadinho e, acredita, estarás para sempre rendida ao charme da capital. Mesmo que não fiques cá para sempre.
***

Alexx disse...

O céu da cidade não é o mesmo do campo. o céu da cidade está longe, o do campo está mesmo ao alcance da nossa mão. No entanto, quando quiseres ver as estrelas, aproxima-te do rio Tejo e, virando-te de costas para Lisboa, olha para cima. É o céu da cidade... com um toque do campo. Depois, vira-te de novo para a cidade e abraça-a pelas suas estrelas caídas ;)

Super_Guilho disse...

gostei mt! :D
é claro k tda a kualidade atmosferica e paisagistica do campo é superior a da cidade ms eu continuo a preferir a cidade p tdo akilo k nos pod oferecer...

ms vejo o teu ponto, gosto mt do campo ms pa viver é na cidade!!

bjxx** GuIlHo

Gavi disse...

Eh pah é claruh k as estrelas s veêm melhor no campo ms o céu d lx tb têm o seu charme... Cm já dixeram é preciso técnica pra amar lisboa ms é possível... Eu tenho akela relação amor/ódio lol ... Passa cá o mês d junho e vais ver a verdadeira alma lisboeta! =P
Há mto para amar, mtos recantos por conhecer, mtas oportunidds, mta história, "ainda" tem mta alma... Curti do post até pk normalmnt 'tou contra.lisboa ms dp kd vejo isto e percebo k naum concordo é pk até gosto d cá viver... Enfim... Hj gosto d lx, e das estrelas k msmo naum estando smp à vista estão smp presentes...

disse...

Em Junho, reune-se o melhor de Lisboa: os Santos, as Marchas (LOL), as ruas coloridas, os manjericos, a sangria pelas ruas, o Sol e o céu-mais-azul-de-todos, o rio mais brilhante ainda, o calor, a cidade preenchida, quase a transbordar e o céu com estrelas, sim! A alma de Lisboa é forte, é menina e moça, é amante. E em Junho até as tristezas e os sem abrigo de que tanto falam celebram a alegria da cidade. Até o ruído dos aviões é outro, até as gaivotas andam para aí a palrar! Fiquem em Lisboa e aproveitem Junho e que Santo António vos abençoe! =p

ps. Desculpa, mas n consegui resistir a comentar outra vez! :p

Xinz disse...

a noite daki e bem diferente da de tcs.. nem melhor nem pior diferente.. as estrelas estao sp la.. so que ha dias em que brilham mais do que outros.. e brilham conforme o teu estado de espirito.. por isso nina.. qd quiseres companhia pa veres as estrelas.. ja sabes.. a falta de melhor.. o teu joe..

ps:essa falta de estrelas nao significara a falta de alguem? ;)

HoneyWitch disse...

sim de ti =)

my joe!=D***

Suntory Time disse...

Há poucas coisas tão maravilhosas como acordar com o chilrear dos passarinhos, ou estar sentada debaixo de uma árvore, ou passear na montanha. Respirar ar puro (ou pelo menos mais puro, porque ar verdadeiramente puro já não deve haver muito), estar num ambiente tranquilo, apanhar flores silvestres, observar os animais,...

A Natureza é a perfeição.

Mas quem é que consegue viver afastado da cidade?

Mesquita disse...

Antes de mais quero pedir desculpa por não visitar o blog tão assiduamente como fazia em tempos, mas na mudança de look do meu, o teu blog perdeu-se dos links. Ainda assim vou resolver essa situação.

Quanto ao texto só me lembro de uma palavra: Gostei!

Por fim, deixo um conselho: http://fantasmasdopassado.blogspot.com/. Presumo que vás Gostar.

Filipe de Arede Nunes disse...

Muito bem escrito, mas certamente a cidade terá também alguns segredos escondidos...

albinonatural disse...

Gostei muito do texto, não há beleza que se compare à do campo, só é pena que haja tanto desrespeito pelo ambiente. De qualquer forma, nessa cidade, existe uma estrela que se chama Tatiana e continua a brilhar bjs.

elmary disse...

ainda bem que aprecias as coisas boas da vida, tu para mim também és a melhor coisa da vida. adoro-te

_XugarSpice_ disse...

Concordo contigo, a noite, as tardes, as manhãs, são bem mais bonitas na aldeia, no cimo daquele altinho de onde a vista alcança o horizonte, de dia a ver os prados, de noite a ver as estrelas...
Está bonito...
Contudo, na cidade também podemos encontrar os amores cosmopolitas...
*******************

rtportinha disse...

É quando a escuridão invade a cidade, k sais por aí, na conquista da verdade... :)

Beijinhos grandes***

Procyon disse...

Tenho saudades... das estrelas.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.